Indicados ao Grammy: Canção do Ano (+ mini-reviews!)

E finalmente chegamos ao final da nossa maratona com os Indicados ao Grammy! Ufa, foi trabalhoso analisar esse moooooonte de músicas, mas também me diverti horrores fazendo! Hoje vamos ao último post da série com as indicadas a Melhor Canção do Ano, ou seja: a música mais espetacular, magnífica e sensacional de 2014 (~em tese~). 3 das 5 indicadas já apareceram no nosso post para Melhor Performance de Pop, ou seja: no Grammy deste ano, o negócio girou em torno da música pop mesmo. Meio triste não ver nenhuma representante do bom e velho rock ‘n roll nesta lista, mas vamos ao que interessa: nossas mini-reviews!

1. Meghan Trainor – All About That Bass

Eu já falei mal dela aqui e depois me retratei aqui, mas o fato é que gostar de All About That Bass pode ser difícil por causa de seu início SUPER anasalado (quando eu escutei pela primeira vez fiquei tipo WTH) mas também pode ser fácil por causa do seu ~gingado~ e da letra que defende a perfeição não importando se você tem “bass” (a.k.a. “popozão”) ou não. Meghan demonstra a sua extensão vocal se saindo bem no começo grave e no final agudo, assim como mostra que sabe se dar bem tanto no rap quanto no R&B. Mas apesar disso, acho que o maior trunfo de All About That Bass são justamente os aspectos que não envolvem a voz da cantora: a letra a favor do empoderamento e contra o preconceito e a melodia que lembra anos 50, 60 e torna absolutamente impossível não dar uma dançadinha. Dito isso, vale o prêmio de música do ano? Não, mas pode valer o de música mais gostosinha de 2014.

2. Sia – Chandelier

Já me conformei com o fato de que minha missão de vida é falar sobre como Chandelier é uma das músicas mais incríveis que já escutei. A força na voz de Sia, a letra desesperada e a melodia que causa arrepios tornam Chandelier uma música que merece estar não só na lista de melhores do ano como vencer essa disputa. Sei que sou suspeita para falar, mas eu sinceramente acho que nenhuma das outras indicadas é melhor do que esta obra-prima de Sia. Como foi que eu a defini mesmo? Ah, “Chandelier é um misto de desejo e vazio, festa e dor, tudo isso permeado por uma performance vocal crua, visceral, viva. E ainda dá pra dançar”.

Lembrando que vai ter performance dela hoje à noite! ❤

Review do 1000 Forms of Fear aqui e já falei sobre como Chandelier é sensacional aqui e aqui também!

3. Taylor Swift – Shake It Off

Vish Maria. Se eu já cansei de falar sobre como Chandelier é magnífica, imaginem como já cansei de xingar Shake It Off? O fato é que eu tentei, tentei e não deu. Para mim, essa música é pobre em todos os sentidos: letra, melodia e só se salva um pouco na performance vocal de Taylor que não decepcionou no 1989 inteiro.

Nem preciso dizer que não estou torcendo por ela, né?

Já xinguei Shake It Off aqui, já me expliquei melhor aqui e me retratei falando bem do álbum da Taylor na review do 1989 aqui!

4. Sam Smith  – Stay With Me (Darkchild Version)

Mas de novo essa ~sofrência~ por aqui, gente? Se em 2014 Pablo virou febre nacional com suas músicas sobre sofrimentos amorosos, Sam Smith se destacou com essa música que é até legal de cantar, mas… o que que tem demais nela, sério? Performance vocal normal, melodia simples e um coral atrás tentando dar um ar de ~coisa épica~ que até hoje eu não encontrei. Muito melhor o cover que Kellyzuda fez de Stay With Me, dsclp.

Vai ter performance dela mais tarde também e vai ser com a Mary J. Blige, ó:

5. Hozier – Take Me To Church

Eu ouvi essa música pela primeira vez através de uma performance de Matt McAndrew no The Voice e fiquei esperando algo épico, já que todo mundo só falava/escutava esse negócio. Confesso que a coisa épica não veio, mas além disso, tenho a impressão de que quem me conhece ficou esperando eu falar alguma coisa sobre Take Me To Church, e por “alguma coisa” entenda-se “MEU DEUS QUE MÚSICA HEREGE QUE COISA HORRÍVEL QUE CALÚNIA” etc. No final das contas, eles estavam certos em um aspecto: de fato, eu não gostei de Take Me To Church… como música. A melodia não me pegou, a voz do cara não me conquistou e a letra não encontrou nenhum ponto de contato comigo, exceto o fato de que se você vai à igreja para se sentir como um cachorro adorando, well, não peça pra ninguém te levar lá (e na verdade a música é mais sobre a preferência pelas coisas terrenas do que pelo repúdio à igreja, no final das contas).

Ah, vai ter performance dela mais tarde também.

Quem eu gostaria que ganhasse: Sia

Quem eu acho que vai ganhar: Sia, Sam Smith ou até mesmo Meghan Trainor

 E assim terminamos nossa série de posts sobre o Grammy, yaaaaaaay! Quem será que vai ganhar mais tarde? Descubra a partir das 23h (22h, se você mora no Nordeste) na TNT ou no meu Twitter, pois farei livestream da cerimônia com direito a comentários, xingamentos e muitos RTs haha! Até lá! (;

Série Indicados ao Grammy 2015:

Melhor Canção de Rock

Melhores Performances de Pop (Solo e Duo/Grupo)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s